Carl Jung e a existência de espíritos,por Marcos Villas-Bôas

Em texto anterior,citamos Carl Jung como um médium que passava por inúmeros fenômenos espirituais e que documentou alguns deles no seu último livro : Memórias,Sonhos e Reflexões.

 

 

Leitores do blog que estão entre os mais incrédulos reclamaram do fato de o livro não ter sido citado,mas estava,sim,referido,desde a primeira versão publicada,ao final da transcrição de um trecho dele. Parece que,quando não se quer enxergar (aceitar) algo,até a visão física fica abalada e termina-se não enxergando bem (em sentido estrito).

 

 

Como Jung é um nome mais conhecido fora do meio científico,parece que esses incrédulos se assustaram com o peso dele em favor da existência dos Espíritos. Dedicaremos,então,um texto inteiro ao livro dele,uma homenagem a esses nossos leitores,tão ou mais importantes do que os mais crédulos ou menos incrédulos. Seus comentários,por sinal,quando não nos divertem pela graça,ajudam a focar nos pontos de maior dúvida deles,sendo muito bem vindos.

 

 

Jung abre um capítulo chamado “Sobre a vida depois da morte” e inicia dizendo que sua obra em geral está permeada pela sua tentativa de dar explicação às “interferências entre o ‘além’ e o ‘aquém'” (p. 27). Segundo ele,não seria possível propriamente explicar a sobrevivência após a vida,então ele iria “mitologizar” (p. 28).

 

 

Pouparemos os incrédulos das repetições das críticas. Eles desviam os fatos trazidos nos textos para se apegarem a suas visões espremidas da ciência e afirmarem que nada neles é científico,que não há prova científica etc. Observem que o mais importante aqui não é necessariamente convencer ninguém,apesar de que,normalmente,quando se escreve sobre um tema,se pretende convencer o leitor de algo.

 

 

O mais relevante é expor conhecimento sobre os Espíritos de uma forma crítica,trazendo grandes pensadores da ciência e permitindo que mais pessoas,dispondo desse conhecimento,possam,quando necessário,pedir ajuda,pois o objetivo principal do Espiritismo é o amor,a caridade para com o próximo,mesmo quando esse próximo seja um crítico insistente e deseducado. Incrédulos que passam um dia inteiro escrevendo inúmeras críticas sobre o mesmo texto,muitas vezes grosseiras,por exemplo,são grandes candidatos a necessitarem de atendimento espiritual.

 

 

Esses parênteses são para dizer que Jung afirma repetidamente acreditar na existência de Espíritos e conta fenômenos contundentes,alguns brevemente narrados aqui,porém ele,por receio do meio científico da sua época,prefere colocar tudo num tom de narrativa de “Memórias,Sonhos e Reflexões”,título do livro. Repita-se : importa,acima de tudo,que ele atesta a existência dos Espíritos. Sobre haver prova ou não,essa é uma questão muito mais conceitual e subjetiva,como já explicamos em textos anteriores.

 

 

Para os incrédulos que usam a artimanha materialista de afirmar que haverá prova científica apenas quando se demonstrar casos de peso,medição etc. em laboratório,se não serviram ainda as experiências de Camille Flammarion,aguardem até tratarmos dos testes do gênio científico William Crookes. A esses incrédulos,no momento,deixamos a crítica de Jung :

 

 

“A razão crítica parece ter há pouco eliminado,juntamente com numerosas outras representações míticas,também a ideia de uma vida após a morte. Essa eliminação foi possível porque os homens,hoje,se identificam frequentemente apenas com a consciência e imaginam ser apenas aquilo que conhecem de si próprios. Ora,todo homem que de leve suspeita o que seja a psicologia poderá facilmente imaginar que este saber é muito limitado. O racionalismo e a doutrinação são doenças do nosso tempo;pretendem ter resposta para tudo. Entretanto,muitas descobertas que consideramos impossíveis — quando nos colocamos de um ângulo limitado — serão ainda feitas” (p. 28 – 29).

 

 

Como se nota,cauteloso,mas certo do que estava por relatar,Jung critica aqueles que pensam tudo saber,que supõem ser a ciência um círculo já fechado de ideias e carente apenas de um aprofundamento. A falta de intuição e de abertura para o que se chama de metafísico,mas que é físico,é uma das características mais marcantes em pensadores que cometem muitos erros,como muitos da Economia,que não seria uma ciência na concepção dos materialistas.

 

 

Como diz o Espírito Joana de Angelis,guia do médium psicógrafo Divaldo Franco,muito interessado na obra de Jung,o século XXI será o de religação entre ciência e religião,de absorção por aquela de boa parte daquilo que se pensava ser objeto desta,e vice-versa. A fé deve ser raciocinada,deve estar de acordo com a razão,mantendo coerência com o que diz a ciência.

 

“Afinal,a ciência não tem sido propriamente criadora de nada,porquanto tudo aquilo que apresenta de alguma forma é cópia imperfeita do que observam os cientistas nos painéis grandiosos da Criação.

 

 

Lentamente,mas com segurança,os fatos que antes eram presunçosamente ignorados começaram a chamar a atenção de tal forma,que outra alternativa não tem havido senão a de examiná-los,estudá-los e concluir pela realidade do fenômeno imortalista,pela preexistência e sobrevivência do Espírito à morte,pela ordem universal criada por Deus e pelo sentido ético-moral de fundamental importância para a existência feliz” (Dias Gloriosos, p. 9).

 

 

“Os cientistas do passado,na sua ingenuidade,possuíam respostas rápidas para quase todas as interrogações que lhe eram apresentadas,nem sempre,porém,correspondendo à realidade dos fatos. A medida que a percepção do Universo se dilatou e as sondas penetraram na intimidade das partículas atômicas e subatômicas,mais difíceis se tornaram a compreensão e utilização racional das suas possibilidades quase infinitas” (Dias Gloriosos, p. 12).

 

 

“A física quântica já desmistificou a matéria.avançando gloriosamente para a energia,alcançando as tecelagens sutis do Espírito,que é o princípio inteligente do Universo,quase logrando identificar o mundo causal de onde tudo procede” (Dias Gloriosos, p. 13).

“Chega lentamente o momento em que a Ciência e a Religião dar-se-ão as mãos,completando-se mutuamente,apoiadas nos fatos,na razão e na lógica que deverão ser o sustentáculo de ambas,avançando velozmente na conquista de mais profundos valores e interpretações a respeito da vida e do infinito” (Dias Gloriosos, p. 14).

 

 

Como bem lembra Joana de Angelis,Espírito que parece ser Clara de Assis e Joana Angélica,a ciência não se restringe a experimentos sobre a matéria,mas qualquer círculo de conhecimento baseado em princípios e métodos próprios,que esteja pautado “nos fatos,na razão e na lógica”. Não fosse assim,como já dito anteriormente,as Ciências Sociais não seriam consideradas ciências,a não ser,talvez,pela parte em que se pusesse pessoas em laboratório e se analisasse suas comunicações.

 

 

Voltemos,enfim,às experiências de Jung. Ao longo das páginas 34 e seguintes ,ele conta casos de premonição,mas esses,ainda que curiosíssimos,não são suficientes para satisfazer os curiosos que leem este blog por conta dos Espíritos.

Segue uma das experiências de Jung,que ainda não é a mais marcante :

“Tive outra experiência sobre a evolução da alma após a morte quando — quase um ano depois do falecimento de minha mulher — acordei repentinamente uma noite e soube que fora até onde ela estava,no sul da França,na Provença,onde tínhamos passado um dia inteiro juntos. Ela fazia nessa região um estudo sobre o Graal. Isso me pareceu muito significativo,porque ela havia morrido antes de terminar o trabalho que empreendera sobre esse assunto.

A explicação a partir do que se tratava — a saber que,minha anima não tinha terminado o trabalho a ela imposto — nada me esclareceu;porque sabia muito bem que não tinha ainda terminado minha tarefa. Mas ideia que após a sua morte minha mulher trabalhava para continuar seu desenvolvimento espiritual — como quer que se conceba esta ideia — me pareceu plena de sentido e,por isso,esse sonho me foi bastante apaziguador” (p. 49).

 

 

É muito interessante como Jung trabalha ideias depois mais claramente explicadas nos livros espíritas,como nas obras de André Luiz psicografadas por Chico Xavier,nas quais ele explica que o homem encarna na Terra para “expandir” a sua consciência,para aprender,progredir,mas essa tarefa continua também no mundo espiritual. Acontece que,mesmo semelhantes,cada dimensão tem suas características específicas e,portanto,seu próprio poder de aprendizagem. Ainda segundo Jung :

 

 

“O grau de consciência atingido,qualquer que seja ele,constitui,ao que me parece,o limite superior do conhecimento ao qual os mortos podem aceder. Daí a grande significação da vida terrestre e o valor considerável daquilo que o homem leva daqui ‘para o outro lado’ no momento de sua morte. É somente aqui,na vida terrestre,em que se chocam os contrários,que o nível de consciência pode elevar-se. Essa parece ser a tarefa metafísica do homem,mas sem mythologein (“mitologizar”) apenas para cumpri-la parcialmente” (p. 53).

 

 

Numa dessas,os mais incrédulos já perderam toda a admiração que tinham por Jung. Ele deixou de ser o gênio que era e se transformou num maluco que acredita ter contatos espirituais. Ao menos,para esses,ele admite que não pode construir prova científica a partir dessas experiências :

 

 

“Apesar de não ser possível apresentar uma prova válida no que diz respeito à sobrevivência da alma depois da morte,há fatos que dão o que pensar. Considero tais fatos como indicações sem ter a audácia,no entanto,de conferir-lhes o valor de conhecimento” (p. 54).

 

 

Vamos,então,ao fato espiritual que nos pareceu mais interessante :

 

 

“Uma noite eu não conseguia dormir e pensava na morte repentina de um amigo,enterrado no dia anterior. Sua morte me preocupava muito. Subitamente tive a impressão de que ele estava no meu quarto,ao pé de minha cama e que me pedia que fosse com ele. Não julgava tratar-se de uma aparição;pelo contrário,formara do morto uma imagem visual anterior e tomei-a por fantasia. Mas,honestamente,foi-me necessário perguntar : ‘Que prova tenho de que se trata de uma fantasia? E se não for? Caso meu amigo esteja presente,não seria inconveniência de minha parte tomá-lo por uma figura imaginária?’ Mas também não tinha qualquer prova para acreditar que ele estivesse realmente diante de mim. Então disse a mim mesmo : ‘Em lugar de considerar que se trata apenas de uma fantasia,posso,da mesma maneira,aceitá-lo como se fora uma aparição,pelo menos para ver o que disso resultaria’. No mesmo momento em que tive esse pensamento,ele se dirigiu para a porta e fez que eu entrasse no jogo. Isso certamente não estava previsto. Foi-me então necessário fortalecer a argumentação. Então somente o segui em imaginação.

 

 

Ele me conduziu para fora de casa,ao jardim,à rua e finalmente à sua própria casa. (Na realidade apenas algumas centenas de metros a separava da minha). Entrei,introduziu-me em seguida em seu escritório e,subindo num tamborete,indicou-me o segundo volume de uma série de cinco,encadernados em vermelho;eles se encontravam muito alto na segunda prateleira. Então a visão se dissipou. Não conhecia sua biblioteca e ignorava que livros possuía. Por outro lado,não poderia de onde estava ler os títulos dos volumes que indicara,pois se encontravam na prateleira superior.

 

 

Esse fato me pareceu tão estranho que,na manhã seguinte,fui à casa da viúva e pedi autorização para entrar na biblioteca do meu falecido amigo para uma verificação. Realmente,havia debaixo da prateleira vista em minha imaginação.um tamborete e,já de longe,percebi os cinco volumes encadernados em vermelho. Subi no tamborete para ler os títulos. Eram traduções dos romances de Zola. O título do segundo era: O Legado de uma morta. Se o conteúdo me pareceu desprovido de interesse,o título era,por outro lado,muito significativo pela relação com o que se passara”.

 

 

Como Jung,que nunca havia estado na biblioteca do amigo,teria visto o tamborete e a coleção de livros vermelhos? O incrédulo,do alto do seu orgulho e da sua arrogância,já encontrou diversas explicações neste momento,como o fato de Jung ter ido lá antes enquanto seu amigo estava vivo e não se lembrar,pois julga o gênio da Psicologia um bobo,um ingênuo,enquanto ele próprio seria um sóbrio,inteligente e compenetrado,aquele não se abala por fantasias.

 

 

As experiências contadas por Jung são repetidas,marcantes e ganham certa sistematização dentro do pensamento dele. A literatura espírita veio explicar mais tarde muito do que aconteceu com Jung ao tratar de desdobramentos do Espírito em relação ao corpo físico,seja no sono,seja acordado,assim como a literatura espiritual não propriamente espírita,a exemplo daquela sobre projeção astral.

 

 

Waldo Vieira,médium espetacular que trabalhou com Chico Xavier por um tempo e depois seguiu caminho próprio,tem obras magníficas sobre experiências semelhantes às de Jung e com um viés científico interessante.

 

 

Jung não conhecia essa literatura e,provavelmente,também não conhecia as experiências realizadas antes mesmo que ele escrevesse o livro aqui em análise. Por isso,a cautela dele ao tratar do tema sob um ponto de vista científico,que não o impediu,contudo,de afirmar categoricamente a possibilidade de comunicações entre o consciente e o mundo espiritual a partir do nosso inconsciente. Encerremos,então,com esse seu entendimento :

 

 

“Em decorrência de sua relatividade espaço-tempo,o inconsciente tem melhores fontes de informação que a consciência,a qual apenas dispõe de percepções sensoriais. Por esse motivo,estamos reduzidos,no que se relaciona com o mito de uma vida post-mortem,às escassas alusões do sonho e a outras manifestações espontâneas do inconsciente. Não podemos,já dissemos,outorgar a essas indicações o valor de conhecimentos ou de provas;mas elas podem servir de base adequada para amplificações míticas;elas permitem ao intelecto indagador esse âmbito de possibilidades absolutamente necessárias à sua atividade vital. Não havendo o mundo intermediário da fantasia mítica,o espírito fica ameaçado de congelar-se no doutrinarismo. Mas,inversamente,o interesse por tais germes míticos,constitui um perigo para espíritos fracos e sugestionáveis,que poderão tomar esses pressentimentos por conhecimentos e hipostasiar fantasmas” (p. 63).

 

 

Enfim,nem tanto à incredulidade,nem tanto à credulidade. Ciência com abertura ao novo e fé pautada na ciência,eis o nosso objeto neste blog.

 

 

Por: Marcos Villas-Bôas

19/05/2017

 

 

carl-jung

 

 


 

 

 

Texto extraído do site:

 

http://jornalggn.com.br/noticia/carl-jung-e-a-existencia-de-espiritos-por-marcos-villas-boas

 

 


 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s